• Matheus Miranda Basile

Hibrido x Presencial x Remoto (HO), ou será que estamos falando de flexível

A grande discussão pós-pandemia é o modelo de trabalho. Nessa seara temos os defensores ferrenhos de um ou outro modelo.

Mas cabe algumas perguntas:

Durante a pandemia o modelo Home Office funcionou? Eu diria que foi a salvação de diversos negócios, A ressalva que faço é de que a infraestrutura brasileira ainda é precária em muitas regiões;

Home Office foi inventado na pandemia? É claro que não. Os profissionais de tecnologia e do mercado financeiro a muitos anos trabalham dessa forma sem perda de produtividade;

O que precisa de corrigido? Considerar o HO uma conquista. Você ganha de três a quatro horas dia, para convívio com seus filhos, para fazer um curso (existem milhares disponíveis em Universidades brasileiras e em Universidades estrangeiras de ponta), aprender uma língua estrangeira (você precisa de cerca de 300 horas de estudo, ou seja, uma hora dia), visitar um museu ou exposição em sua cidade. Estabeleça uma rotina, lembrando-se que a jornada de trabalho continua sendo de 8 horas. Assim se você começou as 07:00 da manhã, encerre as 15:00. As empresas não podem cometer o erro de exigir uma jornada de 12 horas.


Tenho visto argumentação do tipo: os funcionários precisam ser controlados. Se seus funcionários precisam ser controlados, treine-os, de a eles responsabilidades, se o problema persiste, troque-os. Você não é babá. Mas verifique em paralelo se essa necessidade na verdade não é sua.


Minha experiência pessoal é de fazer HO desde os anos 90. Ali por volta do ano 2000 com o processamento indo para a nuvem (fomos os primeiros no mundo a colocar um Call Center na nuvem, isso em 2001). Minha equipe trabalha de onde melhor se achar confortável, inclusive de um Escritório Virtual. Há pelo menos 25 anos abandonei todo e qualquer controle de medição de produtividade baseado BHC (bunda x hora x cadeira). Minha métrica é a entrega. Se o profissional vai trabalhar a noite, de madrugada, na praia, na cafeteria, e isso o faz feliz, está tudo bem.


Eu ainda mantenho na minha rotina ir uma vez por semana (as vezes na quinzena) ao centro do Rio de Janeiro.


Essas linhas foram escritas no dia seguinte em que deixei 4 horas no trânsito, me deslocando da Barra da Tijuca x Centro x Ipanema x Barra da Tijuca.


Tudo que se faz em um escritório, pode ser feito em um HO. Talvez tenhamos que criar o meta verso da tia do cafezinho.

Luciano Basile

Founder e CEO de i-Coll desde 1993 e Founder e CTO de TALK desde 2021.


Conte a sua experiência pré, durante e pós pandemia. Escreva seu comentário.

43 visualizações